Salvo indicação contrária, todas as imagens e texto, aqui apresentados são da autoria de David Guimarães. A utilização de imagens, texto na íntegra ou excertos, sem autorização expressa do Autor é proibida.


Unless otherwise indicated, all text and images presented here are by David Guimarães. The use of images, full text or excerpts without express permission of the author is prohibited.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Areia \ Sand

Ontem mudei, cresci mais um pouco e enraizei-me no substrato que fez crescer os meus... Já suspeitava que o sítio onde escolhi nascer fosse especial, mas depois de confrontado com imagens com mais de um século fico estarrecido com a força das minhas gentes, com a sua tenacidade e com o seu engenho... em fim com a sua perseverança! Gente que nasceu na Areia e a conseguiu transformar em solo produtivo e fértil, que modelou um mundo branco e o fez brotar... como força da natureza que é, o homem transforma, gera vida e destrói... Que paradigma; destruir para poder criar, fico dividido entre o passado e o que foi este oceano de areia a que chamamos Gândara e o presente, o presente que nos foi deixado, um mar de verde pinho que se estende da Serra da Boa Viagem até a minha Vagos!

Yesterday I've changed, I grew a little more and have rooted myself into the substrate where my ancesters grew ... I'd already  suspected that place where I choosen to born was special, but once confronted with images with more than a century I'm astounded by the strength of my people, with his tenacity and his wit ... mainly with his perseverance! People that were born in the sand and managed to turn it into fertile and productive land, which modeled a white world and made it sprout... as a force of nature that it is, man transforms, creates and destroys life ... What a paradigm; destroy in order to create, I am torn between the past and what it was, this ocean of sand we call Gândara and the present, the gift that was left to us, in a sea of ​​green pine that extends from Serra da Boa Viagem to my Vagos!

1 comentário:

Romão Machado disse...

Excelente visão deste grafismo. A arte fotográfica está em ver muitas vezes o que o comum dos mortais considera banalidades.